O Mundo dos Outros : Histórias e Vagabundagens / José Gomes Ferreira

Prefácio de Mário Dionísio.

4.50 

1 em stock

Descrição

O Mundo dos Outros é constituído por uma série de crónicas de Lisboa (nenhuma delas anterior a 1945, pelo que a sua redacção se deve ter processado durante o mesmo período em que o Poeta vai compondo os poemas de Poesia III), onde o quotidiano é transfigurado, e o encantamento e desencantamento, real-sonho, verdadeiro-falso, se alternam – uma reflexão automatizada a que o autor recorre para tornar mais perceptível e radical o desmascarar da realidade, segundo a sua cosmivisão. É, por isso, uma das obras máximas produzidas pelo neo-realismo português.

O autor reflecte também sobre o seu “fora” e o seu “dentro”, o “‘equilíbrio entre as duas vidas que nem sempre conseguem coexistir harmonicamente separadas”, colaborando na confusão que a sua face múltipla provoca em quem lhe queira penetrar o íntimo” (TORRES, Alexandre, Vida e obra de José Gomes Ferreira, Amadora, Livraria Bertrand, 1975, p.237). Frases como “”Ninguém me vê do mesmo modo”” , ou “Cada qual agarra em mim a realidade que mais lhe convém”, são afirmadas com mal disfarçada alegria, e o poeta ajuda à confusão assumindo muitos papéis diferentes (o que é preferível ao esconder-se por detrás de diferentes personagens, como fazia F.Pessoa ou Robert Browning – afirma Carlos Oliveira). O autor também é, por um lado, o “”vagabundo social”” de dia, mas o solitário de noite, que “”espera com paciência que a cidade de esvazie para, em largas digressões de vagabundagem por essas ruas solitárias abrandar um pouco as rédeas do autodomínio. E poder enfim adorar a lua redonda à sua vontade; e ruminar versos num ruminar quase obsessivo (…)falar só (…) sem vergonha da lua”.