Eça visto por si próprio / Francisco Costa

10.00 

Esgotado

Descrição

Relendo, a frio, estas páginas irrequietas, escritas no calor do convívio com o espírito de Eça de Queirós, o autor não está longe de as considerar quase rebeldes, pelo menos em relação ao equilibrado ciclo de conferências de que fizeram parte.

Trata-se, como o leitor verá, de um diálogo imaginário com Eça de Queirós redivivo,  – conhecido processo cuja única e atrevida novidade consiste em atribuir, ao grande escritor, aquele complexo de opiniões e atitudes que teria, neste momento, se lhe fosse dado ver-se a si próprio sub specie aeternitatis.

Audácia imprevista, que não destoou na fina sala onde foi proferida só por esta ser fina e benévola, vai destoar com certeza no severo tribunal do grande público. Há, porém, uma atenuante a alegar em defesa do réu. Se o autor fosse crítico, não lhe seria lícito proceder como romancista, ao apreciar uma figura literária. Mas, sendo apenas romancista, que havia de fazer senão isso?

Pode esta aventura fantástica não convencer a ninguém. O autor, todavia, sonhou tão vivamente essas coisas irreais, que chega a convencer-se e as ter realmente vivido.

 

(Da NOTA PRÉVIA)