Dona Branca / Almeida Garrett

Encadernação com lombada em pele e dizeres a ouro.

Categorias: ,

35.00 

1 em stock

Descrição

Publicando esta nova edição de Dona Branca, a primeira que se faz em Portugal depois de umas quantas francesas e brasileiras, pareceu-me dever pôr aqui alguma memória, tanto da primeira composição do poema, como da presente forma com que hoje se reproduz.
E consintam-me, antes de tudo, o desabafo de dizer que nenhum homem ainda fugiu tanto ao seu destino como eu; nenhum porém foi tão perseguido do inevitabile fatum que me não deixou. De criança me tentaram e namoraram as musas, e de criança lhes resisti sempre, com mais severo pudor do que o casto José, deixando-lhe por vezes nas mãos lascivas a capa virginal de minha pudicícia, e fugindo com mérito e virtude verdadeira, porque fugia a deleites suspirados, ardentemente desejados de minha alma.

Detalhes:

Ano: 1850

Nº Edição: Nova Edição

Descrição Física: XI [1] - [271] p. ; 16 cm