A Essência do Cristianismo / Ludwig Feuerbach

Apresentação e tradução de Adriana Veríssimo Serrão.

20.00 

1 em stock

Descrição

Sendo uma obra de filosofia, e mesmo um dos textos de referência obrigatória em filosofia da religião, A Essência do Cristianismo pode, no entanto, ser lida com relativa independência dos debates intelectuais que marcaram o ambiente do século XIX alemão em que foi concebida e da estruturação categorial sobre que se alicerça. Num estilo literariamente muito sugestivo que alterna as passagens argumentativas com o tom apelativo, Ludwig Feuerbach fundamenta e desenvolve a sua intuição própria do fenómeno religioso como uma questão exclusivamente humana, ao mesmo tempo que interpela o crente a compreender e esclarecer o sentido da sua fé. Destituída de origem transcendente e de carácter sobrenatural, a religião vai sendo progressivamente desvendada na sua origem e feição humanas e interpretada como resposta a necessidades profundas que o homem religioso julga não poder resolver nesta vida e com os meios disponíveis na existência real. O “além”, ou a “outra vida”, é uma componente essencial da consciência religiosa , compensação de um viver empobrecido em que até a morte é desvanecida como simples aparência e mera passagem para um aspirado e prometido mundo melhor. […]

O entendimento do fenómeno religioso como criação humana conserva intacta a sua fecundidade e actualidade, continuando A Essência do Cristianismo a suscitar leituras a partir de diferentes pontos de vista. No âmbito da estrita reflexão teológica alimenta a discussão sobre os fenómenos contemporâneos do ateísmo, da secularização ou da problemática da morte de Deus. A uma tradição dominantemente racionalista da filosofia, nomeadamente da antropologia filosófica , contrapõe a visão do ser humano movido pela “cabeça ” e pelo “coração “, uma essência sensível constituída por um misto de forças e fraquezas, um ser concreto caracterizado pela ambivalência. Mas o que sobretudo ressalta da obra é o forte elogio da vida, seja na exaltação da Natureza como fundamento da realidade, seja na mensagem de universalismo sustentada na ideia comunitária do homem como um único género humano liberto de todas as barreiras particulares, seja ainda na promoção de uma existência integral que merece, tanto na alegria como no sofrimento, ser vivida intensamente e sem os véus de ilusão.

 

(Da apresentação de Adriana Veríssimo Serrão)

Detalhes:

Idioma: Português

Ano: 1994

Descrição Física: XXI - 454 [1] p. ; 22 cm

Colecção: Textos Clássicos

Condição: Em óptimo estado