A Antropologia

1.50 

1 em stock

Descrição

É no século XX que a antropologia se constitui uma disciplina autónoma, caracterizada por técnicas de trabalho próprias e por um domínio específico de pesquisa: as sociedades denominadas primitivas. O aparecimento desta nova ciência do homem assinala então o resultado de uma evolução bem mais antiga: a descoberta progressiva pela Europa de sociedades não industriais.

A diversidade de raças e de formas de organização social tinha sido posta em evidência já no século XIll, quando os primeiros grandes exploradores deram a conhecer a Europa oriental
e a Ásia central. O mais famoso destes, Marco Polo (1254-1324), visita a China, onde permanece dezasseis anos, e inicia a moda das narrativas de viagem com o livro As Maravilhas do Mundo, que conhece um êxito perdurável.

O interesse pelas sociedades «exóticas» é alimentado e reforçado a partir da Renascença pela expansão mercantil e política do capitalismo nascente. Com as expedições militares e comerciais
multiplicam-se as crónicas, memórias e narrativas que atraem a curiosidade dos europeus para os outros continentes. No século XVIIl prosseguem, e são sobretudo coordenados, estes esforços de investigação. As sociedades da Oceânia são descobertas e incluídas na carta do mundo. O Noroeste da Ásia é explorado metodicamente, Viajantes mergulham no interior da África para efectuar uma exploração sistemática de regiões desconhecidas.

Aparição do «bom selvagem»

As informações assim reunidas sobre as sociedades não europeias renovam o campo da reflexão filosófica. O tema do «bom selvagem» faz a sua aparição na obra de Diderot («Supplément au voyage de Bougainville»), de Bernardin de Saint-Pierre («Paulo e Virgínia»), de Rousseau, levando este a uma denúncia do luxo e da civilização moderna («Discours sur l’origine et les fondements de l’inegalitér). No mesmo contexto ideológico desponta a nova ideia de uma evolução da humanidade que se terá desenvolvido a partir de um estado natura! original até às formas mais complexas da sociedade industrial.

Encontram-se vestígios de tal concepção em Bayle, Condorcet, Montesquieu e nos filósofos ingleses Hobbes e Locke. Entre os principais representantes de um pensamento pré-antropológico em vias de constituir-se terá de se citar igualmente Voltaire, que, pela sua sensibilidade ao pluralismo da cultura, estabelece os fundamentos de um verdadeiro relativismo cultural. A palavra «antropologia» é aliás empregada desde os fins do século XVIII para designar o conjunto das questões relativas à origem, às semelhanças e às diferenças das diversas sociedade então recenseadas. (…)

Detalhes:

Título Original: L'anthropologie
Idioma: Português

Tradução: H. da Silva Letra

Autor:

Editora: Dom Quixote

Ano: 1977

Descrição Física: 223 p. : il. ; 17 cm